domingo, 21 de maio de 2017

Entrevista com Jean Ávila

Hoje vamos conhecer um pouco mais sobre o talentoso autor Jean Ávila. Tive a oportunidade de conhecê-lo pessoalmente na Bienal de São Paulo em 2016 e me confesso extremamente fã.

Vamos lá!

01. Quem é Jean Ávila?

Eu costumo dizer que sou o cara mais estranho que eu conheço, talvez pelo fato de sonhar demais com coisas quase impossíveis e viver achando que ainda dará tempo de realizar tudo. Ás vezes eu preciso que alguém me resgate para a realidade, em todas as outras eu estou fugindo dela. Não disse? Vai entender...

02. Como surgiu a capa de O ladrão de Pecados? 

Tenho um amigo (Marcos Tinoco) que sempre faz a ilustração das minhas capas, ele leu o Ladrão de Pecados antes de começar a desenhar e simplesmente captou todo o sentimento do livro em uma imagem. 


03. O que você pensa sobre o pré-conceito para com a literatura nacional (ainda existe? Por quê? O que pode ser feito para resolver?)?

O preconceito existe, eu mesmo já pratiquei bastante em se tratando de alguns gêneros. Imagino que tem mudado aos poucos e cabe a nós autores divulgar nosso trabalho para que as pessoas percebam como há riqueza na literatura nacional. 

04. Quais autores nacionais você mais gosta e recomenda a leitura dos livros?

Não conheço tantos contemporâneos (falha minha a ser resolvida), sou fã de Machado de Assis, Ariano Suassuna e Walcyr Carrasco. 

05. Qual é o seu primeiro livro? Como foi o processo de publicação?

A Droga do Paraíso. Passei um ano esperando respostas de editoras grandes e foi um ano de muito silêncio. Acabei por ir atrás de editoras menores e foi a melhor atitude possível. Fiquei muito satisfeito com o resultado e tenho muito orgulho do livro. 

06. Como escolheu o tema do seu primeiro livro? Algum livro específico serviu de inspiração para que você escrevesse o seu?

Eu estava lendo Dom Casmurro, quando resolvi que tinha uma estória para contar que ganharia muito com a inspiração que a leitura me causava, então foi sentar por algumas semanas e ver nascer A Droga do Paraíso. A temática surgiu no processo de escrita, pois eu não sabia ao certo para onde estava indo quando comecei. 

07. Muitos dizem que autor é, naturalmente, um ser humano multiuso. Acaba sendo especialista em marketing, jornalismo, letras, literatura, enfim. Você concorda com essa afirmação? Em meio a tantos papéis, qual o verdadeiro papel do autor quando seu livro já está publicado?

É utópico imaginar que a editora fará tudo para alavancar as vendas do seu livro, ainda mais se tratando de editoras menores, onde o investimento não pode ser grande. Eu diria que escrever um livro é apenas o começo, o processo de publicação e divulgação é que cobra do autor o verdadeiro trabalho. É uma equação simples: esforço do autor + editora = boas vendas. 

08. Cite seus livros e fale um pouquinho sobre cada um.


Poderia dizer que já são três, vide que o terceiro sai ainda esse ano. Me refiro a eles como "A Trilogia da Juventude", por tratarem de temas que se intensificam na faixa da idade entre a adolescência e a vida adulta. 

A Droga do Paraíso trata de vícios, desde: drogas, alienação, amor, afetividade e solidão. Trata de forma poética e melancólica sobre o quanto dói crescer para algumas pessoas e o quanto outras, por mais adultas que sejam, nunca amadurecem realmente. 

O Ladrão de Pecados é sobre culpa. Narra a juventude de um garoto com esquizofrenia, suas angustias e problemas com a mãe. Talvez seja meu livro mais triste, embora também tenha algumas das mais belas passagens que já escrevi. 

Febre Noturna (que será lançado ainda em 2017) é sobre identidade. É o livro que me deu mais trabalho no processo de escrita, justamente porque trata de uma geração posterior à minha. A pesquisa teve de ser maior, os sentimentos mais intensos e a imersão por vezes foi claustrofóbica. São três personagens principais, três pontos de vista que vão se intercalando para construir a narrativa. Aqui começa meu flerte com o realismo fantástico. 

09. Onde podemos encontrar suas obras?

Podem ser encontradas no site da editora Ella e em lojas como Amazon e outras. 

10. Cite sua frase favorita de um dos seus livros.

"Quando eu não mais sentir da dor, enterre-me, pois a anestesia de boa vivência é morrer eternamente. "


Febre Noturna.





Para finalizar tenho que dizer que sou apaixonada pelas capas dos livros dele. 










                             💓💓💓

sábado, 20 de maio de 2017

Sempre Lembrarei - Jailton Dias



Um livro repleto de poesia e sentimento. Leitura rápida e fácil.

Exponha todo o teu sofrimento e a tua emoção
Sonhe o quanto puder
A vida se encarrega do resto
Foi com esse objetivo que você nasceu
Não ligue para o medo
Tenha metas alcançáveis,
Viva sempre assim
Não erre para aprender
Viva como uma folha seca
Corra para onde quiseres
Só não te exponhas ao fogo
Afinal ele queima
Voe em seus sonhos,
Leve a inspiração pelo amanhã,
Sonhe, lute e corra atrás
Não te cales
Mas fale apenas quando chegar sua vez...

Sinopse: Perdido em seus delírios emocionais, após o fim de seu namoro, Macaro se vê cercado por problemas e, no alto de seus delírios emocionais, conta com a ajuda de Jeferson, um grande amigo que sempre deixava suas dores, problemas e afazeres para ajudá-lo. E mesmo estando a um fio de perder sua própria vida, jamais contava a seus amigos, pois ele queria ser sempre um porto seguro para os que o procurassem, e não um barco decaído e deprimido na solidão de sua juventude. Socorria e ajudava sempre que precisavam e, em determinados momentos, se mostrava preocupado com a idade já meio avançada e com a descoberta de sua doença. Muitas vezes, suportava sua doença e agia com um sorriso em sua face, um sorriso brilhante, embora quase apagado, ninguém sequer notava.



Amizade é extremamente valorizada nesse livro usando como protagonistas Jeferson e Macaro. O tempo, a diferença de idade, a doença e a morte não são obstáculos para esse sentimento.

                                                                   
                                                                      💙💚💜

sábado, 24 de setembro de 2016

Livro Psicopatia - Ahtange Ferreira

Voltando ao Blog com uma resenha de um livro que eu simplesmente amo Psicopatia.
Já vou avisando que está cheia de spoiler ;)

Vamos lá!
Primeiro tenho que dizer que odeio a Helena. Está certo que Alex é um psicopata e que não devemos aceitar ou ser coniventes com violência doméstica, mas isso não a torna menos culpada de suas traições. Ela era a mulher que ele venerava e seu esforço em manter a família era pago com traição e filhos fora do casamento. Nenhum dos dois é inocente e me encheu de revolta vez o que os atos do casal causava a família e amigos.
Na casa não vivia apenas o casal, havia os filhos que são sempre os mais prejudicados. Vê o pai se transformar de protetor em algoz muda a personalidade dos filhos de forma definitiva, pois tira a base que eles usaram para construir seus futuros.
Cada página que eu lia menos gostava de Helena e me envolvia cada vez mais com o livro.
Vou contar um segredo: Sou apaixonada por vilões, então sinto muito sociedade, mas eu amo o Alex. 
Não é o primeiro livro de Ahtange que leio e ela não deixou nada a desejar descrevendo com perfeição o que acontece no seio de um lar dominado por um psicopata.
Esse livro é um aviso para a família que diz: Pais, antes de agirem pensando em buscar prazer lembre-se que vocês tem filhos e dependendo do que fizerem pode ajudar a brotar ou crescer a semente de psicopatia dentro deles e vocês não serão os únicos a sentir as consequências.

SinopseNo psicopata o que predomina é a possessividade. Como eles são exímios egocêntricos e não sentem nada, eles não têm a insegurança típica de quem ama, mas sim um sentimento de posse, na qual a outra pessoa é vista como um objeto que é apenas dele e não deve ser dividido de forma alguma. Às vezes, quando eles demonstram afeto por alguém, ou é pura dissimulação ou um grande sentimento de possessividade por tal pessoa, o que faz frequentemente, a princípio, acreditarem que estão apaixonados, quando na verdade, não sentem nada mais que posse pelo outro. Um homem fisicamente lindo e desejável. Alex vivia aparentemente um casamento feliz, até descobrir que Helena estava grávida, desde então passa a demonstrar sua verdadeira face violenta, cruel e assassina. A possessividade e a frustração libertará o monstro frio e calculista que sempre vivera escondido no interior do ser aparentemente dócil gentil e sociável. Desencadeando uma série de assassinatos com requintes de crueldade, e prazer sexual que beira a loucura. Mostram quão perigosas podem se tornar experiências infantis traumáticas. Uma trama que o fará conhecer um pouco mais de mentes doentias e comportamentos inerentes ou adquiridos. Um romance forte que vai levar o leitor a um mundo cheio de perigos, fantasias e desejos contidos. Num belo sorriso ou num olhar marcante. Fique atento. O inimigo pode estar ao seu lado.

Recomendo essa leitura para todas as famílias.